28° C

Secretaria de
Defesa Social

Notícias

Operação da Polícia Civil fecha copiadoras irregulares

Geral

A Delegacia de Repressão ao Crime Contra a Propriedade Imaterial através da SDS, prendeu na manhã da última quinta-feira (15/05), seis pessoas acusadas de copiar ilegalmente livros e apostilas. A ação policial teve início por volta das 9h30 da manhã, na Rua Afonso Pena, nº. 85 - endereço bastante freqüentado por estudantes. No local foram encontrados várias cópias de livros prontos para serem comercializados.

Segundo o delegado responsável pelas prisões, Paulo Rameh, essa foi a segunda ação no mesmo endereço. "A primeira não obtivemos êxito, mas com o mandado de busca e apreensão em mãos, conseguimos apreender todo o material", contou. Foram detidos, Sergio Pereira de Lima Ciência, Ellis Ângela Monteiro de Lima, Márcio Virgíneo da Silva, Cássia Rafaela da Silva Santos, Juliana Maria Cavalcante da Silva e Pedro Chavier da Silva, todos funcionários. Na apreensão foram contabilizados inicialmente cerca de doze máquinas copiadoras e uma grande quantidade de livros copiados e prontos para venda. O delegado esclareceu ainda, que o crime praticado foi de violação do direito autoral e a pena varia de dois a quatro anos de reclusão.

Ainda de acordo com delegado, o estabelecimento estava sendo investigado a mais de seis meses e a ação contou com o apoio de oito agentes da polícia civil. Apesar do grande número de pessoas terem sido presas a ação da polícia foi tranqüila e não teve represaria por parte dos donos e dos funcionários das copiadoras.

O advogado da Associação Brasileira de Direito a Reprografia, Dalizio Barros exemplificou que a denúncia foi feita ao delegado Paulo Rameh da Delegacia de Repressão ao Crime Contra a Propriedade Imaterial e posteriormente foi solicitado o mandado de busca e apreensão expedido pela justiça. "As informações que obtive foi de que a Copiadora Treze, a maior de todas que foi apreendida, praticava esses atos ilícitos mesmo após o falecimento do dono, pois os filhos assumiram e continuaram com essa prática ilícita", completou Barros.